domingo, 12 de dezembro de 2010

MOCINHO x BANDIDO


 

Um faz o tipo bom moço. Tem cara de anjo. E aquele cabelo. Ah, aquele cabelo! Ele desperta seu lado mais romântico. É uma mistura de príncipe William com Leonardo DiCaprio em Titanic. Esse é o mocinho da vez. O outro faz o tipo cafajeste. Tem cara de mau. E aqueles braços. Putz, aqueles braços! Ele é só desejo. Puro sex appeal. Faz você se sentir a Sharon Stone em carne e osso. Esse é o bandido.

O mocinho te chama de linda. Elogia seu sorriso. Convida você pra tomar vinho. O bandido nem precisa te chamar. Ele olha pro seu lado e você se rende. Ele passa a mão no cabelo e você passa mal. Ele convida você pra dormir na casa dele e você já se entregou.

E o bom moço tem aquela boca macia. Aquela pele de edredom. Aquelas mãos suaves quando seguram seu rosto. Aqueles olhos verdes mais doces do mundo. O outro tem pegada. Tem as mãos firmes. Tem aqueles braços fortes te segurando pela cintura. E aquele olhar. Putaquepariu, aquele olhar!

E entre um e outro, tem você. Que quer namorar e quer estar solteira. Que quer o bom moço e quer aquele que te puxa pelo cabelo. Que quer tomar vinho com um e quer dormir na casa do outro. Que quer um te mandando mensagens lindas à tarde e quer o outro te ligando à noite. Que quer alguém pro resto da vida e quer alguém que vá embora de manhã cedo. Entre o bom moço e aquele outro que não vale nada, tem você que não sabe de nada. Que se pergunta o tempo todo o que é mesmo que você quer pra sua vida.

O bom moço te leva pro cinema domingo à noite. Vai com você sábado à tarde fazer compras no shopping lotado. E não reclama. Está sempre de bom humor. Tem sempre uma solução pros seus problemas mais sem importância (mas que, pra você, são os maiores do mundo). O outro nunca tem tempo pra você. Nem sempre está de bom humor, muito menos disponível. E se você tem um problema, qualquer que seja, o problema realmente é seu.

Na verdade, seu único problema é querer resolver a briga entre a razão e o coração. Querer que os dois lados se entendam a qualquer custo. Só que isso não vai acontecer. A razão escolhe um e o coração escolhe outro. E você fica no meio desse fogo cruzado. Mandaram você pra guerra sem armas. Sem munição. Sem sequer uma armadura decente pra você se defender. E agora, dá-lhe tiros de todos os lados. Sua cabeça está prestes a explodir. E seu mundo, a cair bem a seus pés. Em pedaços estilhaçados.

Mas, quando você optar por uma coisa, vai ter que abrir mão de outra. E você não quer abrir mão de coisa alguma. Você quer tudo de uma vez. É egoísta. Ciumenta. Possessiva. Mimada. Não aceita “não” como resposta. Pensa que o mundo deveria ser do jeito que você gostaria. Pensa que pode ter o mundo na sua mão. Só que, uma hora, você vai ter que fazer a escolha, já que esse negócio de ficar em cima do muro nunca foi a sua praia mesmo. Mas você sabe que seguir a razão não tem a mínima graça. E seguir o coração é se meter em grandes enrascadas (quase sempre). Então, você continua dividida entre o que você quer e o que é melhor pra você. Entre aquele que você quer e aquele que quer você. Entre jogar e se jogar. Entre o mocinho e o bandido. Entre uma balada e outra. Entre uma e outra cantada barata na noite. Entre uma caipi-fruta e um vinho barato. Entre uma e outra carinha bonita interessada em você. Entre dois passarinhos voando e uma mão vazia.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

RELACIONAMENTOS.

Sempre acho que namoro, casamento, romance, tem começo, meio e fim. Como tudo na vida.

Detesto quando escuto aquela conversa:
- Ah, terminei o namoro...
- Nossa, estavam juntos há tanto tempo...
- Cinco anos.... que pena... acabou...
- é... não deu certo...

Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou. E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.

Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro?
E não temos essa coisa completa.

Às vezes ela é fiel, mas é devagar na cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é muito bonita, mas não é sensível.
Tudo junto, não vamos encontrar.

Perceba qual o aspecto mais importante para você e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia.

E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona...
Acho que o beijo é importante... e se o beijo bate... se joga... se não bate... mais um Martini, por favor... e vá dar uma volta.

Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer.

Não brigue, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar... ou não.

Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto.

Ele titubeia, tem dúvidas e medos, mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta. Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob pressão?

O legal é alguém que está com você, só por você. E vice-versa. Não fique com alguém por pena. Ou por medo da solidão. Nascemos sós. Morremos sós.

Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado. E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.

Tem gente que pula de um romance para o outro. Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?

Gostar dói. Muitas vezes você vai sentir raiva, ciúmes, ódio, frustração... Faz parte. Você convive com outro ser, um outro mundo, um outro universo.

E nem sempre as coisas são como você gostaria que fosse... A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.

Se alguém vier com este papo, corra, afinal você não é terapeuta. Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.

Na vida e no amor, não temos garantias.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear.
E nem todo sexo bom é para descartar... ou se apaixonar... ou se culpar...

Enfim...quem disse que ser adulto é fácil ????  

Arnaldo Jabor

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Boa tarde galerinha *-*
hoje meu post é especialmente pras meninas,principalmente aquelas que adoram unhas lindas e bem cuidadas (:
achei uma relação pra garotas que tem problemas de cutículas finas como eu...vai aí um super kit fofíssimo pra você que sofre toda vez que tem que fazer as unhas.





1) Instant Cuticle Remover, Sally Hansen“ué, mas isso não é para tirar as cutículas?“Sim e não! hehehe – se usado de uma maneira brasileira, a pessoa só dispensa o uso do pote com água morna ou amolecedor, passa isso, espera 15 segundos e parte para o abraço, quer dizer, para o alicate. Mas o ICR funcionou para mim, como uma emergência, nos dias que eu via a cutícula meio rebelde. É só passar o produto, aguardar 15 segundos e afastar com uma espátula que toda pele morta, que tá no estilo sai-não-sai, sai tudo mesmo e fica limpinho. Sem cortes ele só tira o que tá sobrando, então, tá libeado. Recomendo. Mas hoje em dia, raramente uso.
2) Amolecedor de Cutículas, Risqué - Para quem não tem o importado, vale a dica desse! É um vidrinho de esmalte, só que o amolecedor faz a vez do (1) e ajuda a remover a pele morta, sem cortes! Se achar que a cutícula tá rebelde, com partes grossas, pode usar.
3) Espátulade qualquer marca - as espátulas tomam o lugar do alicate e são amigas. Servem para afastar as cutículas e tirar, varrer a pele morta, sem traumas.
4) Pote com água morna - o bom e velho potinho serve para amolecer a pele em horas de desespero e dar fim às pelinhas chatas.
5) Caneta Hidratante para Cutículas PrimeCuticleUB Beauty – minha best friend e meu melhor hidratante. Não é por falar não, mas ela é boa messssssssssssmo, viu? Quem usou, pode falar!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

 
 
 
 
"Ma belle, viver bem não é para amadores. Puxe para si a responsabilidade de encerrar de vez essa inimizade estéril, esse desgaste emocional tão nocivo à pele e ao humor. Você não é uma menina, é uma mulher. E uma mulher deve saber discernir o que é, de fato, uma derrota e uma vitória. Derrota é quando a gente ganha dos outros, mas desiste de si mesma.”
 


Martha Medeiros em: Tudo que eu queria te dizer

domingo, 7 de novembro de 2010

O nome da rosa.


Poucas vezes encontro filmes capazes de mudar minha vida,ontem encontrei um desses valiosos...O nome da rosa é realmente um protesto contra todas essas crueldades que a "sagrada" Igreja Católica praticou e pratica durante todos esses anos.
Acho horrível,antigo e sem fundamento algum pessoas de hoje,com intelecto e informação de sobra dispostos ignorar todas as crueldades que a Igreja Catolica já fez e se renderem aos seus hipócritas sacramentos.
Como pode uma instituição tão cruel,assassina,carnal,corrupta ter a coragem de se auto afirmar divina?
Uma igreja que passou anos,décadas...SÉCULOS atrasando todo o desenvolvimento intelectual de uma sociedade inteira?
São perguntas que só Deus mesmo pra responder...
No filme,monges são mortos após lerem um livro envenenado,o livro havia sido escrito pelo filósofo Aristótelese falava sobre o riso (pecado segundo a Igreja):
"Talvez a tarefa de quem ama os homens seja fazer rir da verdade,porque a única verdade é aprendermos a nos libertar da paixão insana pela verdade."
A Igreja não aceitava que as pessoas comuns tivessem acesso aos significados de seus dogmas (fundamentos da religião) nem questionassem e fossem contra os mesmos,e por esse motivo,para definir o poder sobre o povo houve a instauração da Inquisição que foi criada para punir os crimes praticados contra a Igreja Católica que se unia ao poder monárquico.


"Conhecereis a verdade e ela vos libertará"

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Pra minha tia do coração ...sz...



Acabei de ver que existem momentos e pessoas na minha vida que fazem uma diferença TÃO grande e tão boa que eu não poderia deixar de escrever sobre isso.
Eu erro muito na minha vida,ainda mais quando se trata de acreditar e confiar em pessoas que não valem a pena,mas dessa vez eu acertei,eu acredito,confio,AMO uma pessoa tão linda e tão verdadeira que se não valesse a pena pra mim o problema estaria comigo.
Ela chegou lá na igreja toda metida,querendo dirigir o sagrado louvor no seu primeiro dia de congregada e no último dia do ano,eu toda crítica como sempre,não deixei ela escapar das minhas "verdades".
Mas o que eu mais queria na verdade acontece,EU QUEBREI  A CARA,e foi  melhor quebrada de cara da minha vida (sério mesmo),eu descobri nessa pessoa uma mulher tão linda,tão amiga,tão meiga,tão cuidadosa,e hoje em dia eu não sei mais como seria a minha vida se ela não estivesse dirigindo o louvor toda metida.Ela me ensinou tanta coisa...me ensinou como preparar um chá de panela bem divertido e deixar pra lá a breguisse do culto da bíblia branca,como cantar sem medo de errar,como superar coisas difíceis que acontecem na nossa vida,como ter mais segurança nos planos de Deus,como perceber que a vida pode ser muito mais divertida se a gente vive ela com bom humor...
Anna,eu queria ter escrito pra você já faz um tempo,mas depois do seu recadinho eu percebi que já tava passando da hora de colocar seu nome aqui.
Eu te amo TANTO tia,eu te admiro tanto,eu te acho tão linda,tão sábia,você é uma das poucas pessoas que entendem esse meu jeito doido de ser,eu me sinto tão a vontade com você,tão feliz perto de você...
Eu to aqui pra TUDO que você precisar...meu colo é seu,meu ombro é seu,quando eu tiver dinheiro ele também será seu,minhas piadinhas são suas,minha alegria,minha verdade,minha casa...o que precisar (:
Obrigada por ser tão amiga,tão companheira,tão tia como só você sabe ser.
Eu quero ter você do meu lado pra sempre e no céu ^^

sábado, 23 de outubro de 2010










Feliz 4 meses *-*


 
Não sou, nunca fui e não quero ser santa. Me recuso, entretanto, a fazer parte do mal, independente do que mal seja. Vou continuar falando palavrão, me apaixonando e enchendo a casa de corações de papel, maltratando minha mãe às vezes e depois me sentindo escrota e injusta, ainda vou fazer muitos amigos errados,  vou viajar quilômetros por amor aos meus irmãos, aos meus amores. Vou ser assim porque, na verdade, eu já sou tudo isso. Tá tudo errado e tá tudo certo. Tá tudo mudando e tá tudo bem. No final da vida, como eu já disse outras vezes, quero ter um colar de pérolas minhas pra mostrar pros meus netos e, olha só, às vezes eu quero tê-los (os netos), outras não. Daqui há pouco tudo muda, mas eu ainda vou querer estar com você porque, é fato, você me mudou.

Vem cá amor, me chama de “mentirosinha”.

Rani Ghazzaoui

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Meu bom namorado.


Um bom namorado é aquele cara que surgiu quando você nem acreditava que poderia existir um cara como ele. Foi uma surpresa! Um presente. Alguma coisa de Deus, mesmo. Esse cara te faz carinho o dia inteiro, muito. Muitas coisas, muitos dias, às vezes não muitos. Você queria que fosse mais. Que ele fosse o primeiro cara que você admirou depois do seu pai, do Superman, do Ken, do Dr. Shepherd e do Jude Law, mas esses apareceram antes. Às vezes o bom namorado nem é namorado ainda, mas te leva pro Carnaval, faz leite quente para você tomar e cede a própria cama para você dormir mais à vontade. Um bom namorado é seguro de que ele é o namorado. Nem menos, um pouco mais, talvez, mas ele não enrola e pouco tempo depois ele compra uma escova de dente para você. Esse cara é o máximo e faz você sentir abuso de todos os outros caras da tevê. O bom namorado é fiel, não por que ele faça esforço para ser, mas é que não falta nada em casa, nem segurança, nem respeito, nem carinho , vontade de ser uma pessoa só a vida inteira, não falta absolutamente nada, nem sobra. Um bom namorado é na medida de tudo, até das discordâncias. Um bom namorado é super herói, é cowboy, é menino, é da praia, é piloto, é príncipe, é mago, é jogador de futebol, de tênis, é cavalheiro, é do rock, é britânico, é sorte. Um bom namorado é a mais pura sorte. Ele é seu companheiro, é seu melhor amigo. O bom namorado é o melhor, em todos os verbos, tempos e modos. É um cara do bem, respeita a família, os amigos e até os desconhecidos no trânsito. Um bom namorado preza pelo seu conforto, seu lazer, sua saúde, seu sorriso. Seu sorriso escova os dentes antes de dormir. Ele tem um olhar de menino, alma de menino, ele quer um menino e quer ser menino também, é uma confusão nessa hora! Um bom namorado pede você em casamento, sem festa, sem fogos, sem alarme, sem dúvida, sem pressa, sem você esperar, ele vai lá e … pam! “Quer casar comigo?” E escolhe uma aliança a sua cara e te leva para jantar e tomar um vinho e gagueja e chora e não precisa dizer nada para que você entenda que aquilo é verdade. É o sentimento mais sincero. Um namorado tem um coração sincero e chora de felicidade. Na verdade ele chora quando você chora só de olhar fundo naqueles olhos de menino e pensa: Deus, obrigada! Ele está com você até debaixo d’gua. Ele sabe manter uma chama ou aumentá-la. Ele sabe seu peso, sua textura, sua densidade, seu volume, sua temperança, seu ânimo, seu limite, seu valor. O bom namorado se diverte com você, dança com você, brilha com você, faz planos com você. Ele admira tudo em você, mas não quer ser você, respeita sua individualidade, sua senha, seu email, seu passado, seu projetos, suas sacolas no shopping, seu estresse no trabalho, sua pressa, sua TPM e quando você quer explodir ele se afasta e espera. E você fica com tanta vergonha que muda de humor no mesmo segundo. Um bom namorado é um balde de água fria, duas Neosaldinas, um sofá calminho, um pote de pipoca, um filme com final feliz. É o cara que lava o seu cabelo quando você está tão cansada e cheia de spray que não consegue nem levantar os braços. Um bom namorado não se importa com os livros que você leu e com os que você quer ler, ele não compete. O bom namorado quer ter um filho pra ontem e faz com que você, que nem pensava nisso, queira logo crescer, casar, ter estabilidade e correr para brincar no parquinho. No Ipod do bom namorado tem todas as músicas que você queria ouvir, mas ainda não sabia. No quarto dele tem uma infância linda, carrinhos, carinho, convite para colinho. O coração dele não tem passado. O bom namorado cuida de você com o carinho de mãe, a segurança de pai, o sorriso de uma amiga, a perícia de um médico, o companheirismo de uma irmã e o amor de um cara. Você enche a boca para dizer que ele é um bom namorado com a convicção de que essa é a verdade fundamental. E muito tempo depois de encontrar o bom namorado você ainda não sabe se ele é anjo, se ele é mágico, se ele existe ou se ele é um sonho. Ele é o homem mais bonito do mundo, ele é um cara que só de olhar dói a alma. Ele é o cara cujo momento mais perfeito é de madrugada, com a cara de sono, o cabelo assanhado por baixo de um boné de piloto que ele só usa de madrugada e óculos de grau (que também só aparece nas madrugadas) ele pega um chinelo três número maior que o seu pé só para você não precisar calçar um sapato alto demais para as três da manhã. O bom namorado é da vida (inteira).

quinta-feira, 14 de outubro de 2010



"Muita gente deve achá-la antipaticíssima, mas eu achei linda, profunda, estranha, perigosa. É impossível sentir-se à vontade perto dela, não porque sua presença seja desagradável, mas porque a gente pressente que ela está sempre sabendo exatamente o que se passa ao seu redor. Talvez eu esteja fantasiando, sei lá. Mas a impressão foi fortíssima, nunca ninguém tinha me perturbado tanto."

*falaram que foi escrito pra mim...até parece :P

"O vento jogou seus cabelos ruivos sobre a cara. Sacudiu a cabeça para afastá-los e saiu andando lenta em busca de uma rua sem carros, de uma rua com árvores, uma rua em silêncio onde pudesse caminhar devagar e sozinha até em casa. Sem pensar em nada, sem nenhuma amargura, nenhuma vaga saudade, rejeição, rancor ou melancolia. Nada por dentro e por fora além daquele quase-novembro, daquele sábado, daquele vento, daquele céu azul - daquela não-dor, afinal".
c.f.a.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

E voei, voei. Eu e minha loucura e minha vontade de vomitar tanto até secar por dentro. Eu e o meu medo de me magoar de novo com todo mundo e precisar de novo odiar tanto e me proteger tanto que fico demasiadamente má e me sinto má e começo a fazer maldades comigo.
Eu prefiro esse peito todo errado do que outro peito. Eu gritava. Eu prefiro mil vezes me assumir do que assumir o mundo mil vezes errado. Eu gritei.
E então, tudo continuava ali, prestes a dar muito errado, a falir, a cair no chão e fazer meu próprio buraco. Tudo estava ali. Todo o meu potencial gigantesco pra fazer da minha vida um inferno imenso. E eu assumi meu peso, eu assumi meu medos, eu assumi toda a merda. E assim, voei ainda mais alto, como se flutuasse. Eu peguei pra mim tudo o que soltava por aí e, surpreendentemente, fiquei mais leve.
Se dava pra ir de pesadelo pra sonho deitada, imagina o que eu não poderia fazer da minha vida a hora que ficasse em pé.

(Tati Bernardi)

quarta-feira, 15 de setembro de 2010




"Eu nunca fui uma moça bem-comportada. Pudera, nunca tive vocação pra
alegria tímida, pra paixão sem orgasmos múltiplos ou pro amor mal
resolvido sem soluços. Eu quero da vida o que ela tem de cru e de belo.
(...) Sou dramática, intensa, transitória e tenho uma alegria em mim
que quase me deixa exausta. Eu sei sorrir com os olhos e gargalhar com
o corpo todo. Eu sei chorar toda encolhida abraçando as pernas. Por
isso, não me venha com meios-termos, com mais ou menos ou qualquer
coisa. Venha a mim com corpo, alma, vísceras, tripas e falta de ar....
Eu acredito é em suspiros, mãos massageando o peito ofegante de
saudades intermináveis, em alegrias explosivas, em olhares faiscantes,
em sorrisos com os olhos, em abraços que trazem pra vida da gente.
Acredito em coisas sinceramente compartilhadas. Em gente que fala
tocando no outro, de alguma forma, no toque mesmo, na voz, ou no
conteúdo. Eu acredito em profundidades. E tenho medo de altura, mas não
evito meus abismos. São eles que me dão a dimensão do que sou."
(Marla De Queiroz)

segunda-feira, 13 de setembro de 2010




'O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.'

[Clarice Lispector]

quarta-feira, 1 de setembro de 2010





'Acordei sem a menor dificuldade, espiei a rua em silêncio, muito limpa, as azaléias vermelhas e brancas todas floridas. Parecia que alguém tinha recém pintado o céu, de tão azul. Respirei fundo. O ar puro da cidade lavava meus pulmões por dentro. Setembro estava chegando enfim.'

Caio F.
 
 
 
 
As cores, talvez, as peles. não sei ao certo. Há sempre um toque de divino no humano em dias assim, pensei.

Caio F.

 
 
 
Não estou vivendo perigosamente. Troque o perigosamente por intensamente, inconsequentemente, apaixonadamente. Não há perigo. Perigoso é a gente se aprisionar no que nos ensinaram como certo e nunca mais se libertar, correndo o risco de não saber mais viver sem um manual de instruções.

Martha Medeiros

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

sábado, 14 de agosto de 2010

Prisioneiros do amor livre.




A fascinante teoria defendida por Sartre a respeito da liberdade: para ele, cada ser humano deveria assumir 100% as rédeas da sua vida. Tudo é fruto da nossa escolha, até mesmo quem iremos amar e que tipo de qualidades e defeitos iremos desenvolver em nós. Em sua opinião, não existe isso que chamamos de "a ordem natural das coisas", e por isso ser livre parece tão assustador. Sartre optou por não fugir da sua liberdade como muitas pessoas fazem, não admitiu ser regido por códigos preestabelecidos e construiu uma vida à sua maneira. No final das contas, fiquei com a impressão de que liberdade é um conceito relativo: quem escolhe ser "mulher de um homem só" não é menos livre do que a mulher que intenciona ter o máximo de relações possível. Todas as teorias são claustrofóbicas, pois a tendência é sermos engolidos por elas e nos vermos obrigados a seguir um rumo que talvez não seja condizente com nossa verdadeira inclinação emocional. Seguir nosso desejo é o que nos torna livres, e o desejo é variável, mutante, inclassificável - não pode ser considerado moderno ou antigo, é o que é. E mesmo que consigamos obedecer apenas aos nossos instintos mais naturais, com toda a liberdade que isso implica, ainda assim pagaremos um tributo ao sofrimento, simplesmente porque viver, seja da maneira que for, nunca é fácil.

(Martha Medeiros - Doidas e Santas)

Meu divã.!

 




 A gente procura um analista em busca de definições,e depois de quase três anos juntos você descobre que não há definição,vida é falta de definição,é transitório mesmo.Agora eu entendi:nãotem a portinha certa,não tem o mapa da mina.O mapa muda toda hora,a mina pode explodir em qualquer hora,em qualquer lugar.Não é assim?Acho que sou eu que vou te dar alta.
Porque eu NUNCA vou estar pronta.Tudo que eu preciso é conviver bem com o meu desalinho,com a minha inconstância,e com as surpresas que a vida traz.
De resto Lopes,a vida continua.O sol continua manchando a minha pele,as pessoas continuam me dando trabalho...O Chico?Continua,firme e forte na minha imaginação.Obrigada Lopes,por tudo!!Ta rindo?É sinal que a minha vida tem graça.
Porque agora eu sei,se eu tive problema um dia...Não foi por falta de felicidade,NÃO FOI MESMO!!!

adaptado.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Persona non grata.



A todos trato muito bem
sou cordial, educada, quase sensata,
mas nada me dá mais prazer
do que ser persona non grata
expulsa do paraiso
uma mulher sem juízo, que não se comove com nada
cruel e refinada
que não merece ir pro céu, uma vilã de novela
mas bela, e até mesmo culta
estranha, com tantos amigos
e amada, bem vestida e respeitada
aqui entre nós
melhor que ser boazinha é não poder ser imitada.

Martha Medeiros
 
 
''Algum tempo atrás, talvez uns dias, eu era uma moça caminhando por um mundo de cores, com formas claras e tangíveis. Tudo era misterioso e havia algo oculto; adivinhar-lhe a natureza era um jogo para mim. Se você soubesse como é terrível obter o conhecimento de repente - como um relâmpago iluminado a Terra! Agora, vivo num planeta dolorido, transparente como gelo. É como se houvesse aprendido tudo de uma vez, numa questão de segundos. Minhas amigas e colegas tornaram-se mulheres lentamente. Eu envelheci em instantes e agora tudo está embotado e plano. Sei que não há nada escondido; se houvesse, eu veria.''

Frida Kahlo

sábado, 7 de agosto de 2010



                   "Sou feliz só por preguiça. A infelicidade dá uma trabalheira pior que doença." 

Mia Couto

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Tudo que eu desejo pra nós.






"Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo. Que a gente reconheça o poder do outro sem esquecer do nosso. Que as mentiras alheias não confundam as nossas verdades, mesmo que as mentiras e as verdades sejam impermanentes. Que friagem nenhuma seja capaz de encabular o nosso calor mais bonito. Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a ideia da alegria. Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz" 

sábado, 31 de julho de 2010







Como se vive num mundo tão hipócrita tendo tanta verdade dentro do coração?

Tati B.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

O outro tipo de mulher.






Leio que Fernanda Karina posará nua por R$ 2 milhões, depois leio que a
revista não confirmou o convite, depois leio que ela vai posar sim senhor e 
vai utilizar o dinheiro numa campanha para eleger-se deputada, e no meio
desta artilharia de informação eu fico tonta e me pergunto: quem diabos é
Fernanda Karina? Ah, a secretária que esteve na CPI e que virou mais uma 
celebridade instantânea neste país surreal.
Nunca vi tanta mulher nua. Os sites da internet renovam semanalmente seu
estoque de gatas vertigi nosas. O que não falta é candidata para tirar a
roupa. Serviu cafezinho numa cena de novela? Posa pelada. É prima de um 
jogador de basquete? Posa pelada. Caiu do terceiro andar? Posa pelada.
Depois da invenção do photoshop, até a mais insignificante das criaturas
vira uma deusa, bastando pra isso uns retoquezinhos aqui e ali. Dá uma grana 
boa. E o namorado apóia, o pai fica orgulhoso, a mãe acha um acontecimento,
as amigas invejam, então pudor pra quê?
Não sei se os homens estão radiantes com esta multiplicação de peitos e
bundas. Infelizes não devem estar, mas duvido que algo que se tornou tão 
banal ainda enfeitice os que têm mais de 14 anos.
Talvez a verdadeira excitação esteja, hoje, em ver uma mulher se despir de verdade -
emocionalmente.
Nudez pode ter um significado diferente e muito mais intenso. É assistir a
uma mulher desabotoar suas fantasias, suas dores, sua história. É erótico
ver uma mulher que sorri, que chora, que vacila, que fica linda sendo
sincera, que fica uma delícia sendo divertida, que deixa qualquer um maluco
sendo inteligente. Uma mulher que diz o que pensa, o que sente e o que
pretende, sem meias-verdades, sem esconder seus pequenos defeitos - aliás,
deveríamos nos orgulhar de nossas falhas, é o que nos torna humanas, e não
bonecas de porcelana. Arrebatador é assistir ao desnudamento de uma mulher
em quem sempre se poderá confiar, mesmo que vire ex, mesmo que saiba demais

Pouco tempo atrás, posar nua ainda era uma excentricidade das artistas, lembro que esperava-se com ansiedade a revista que traria um ensaio de Dina Sfat, por exemplo - pra citar uma mulher que sempre teve mais o que mostrar além do próprio corpo. Mas agora não há mais charme nem suspense, estamos na era das mulheres coisificadas, que posam nuas porque consideram um degrau na carreira. Até é. Na maioria das vezes, rumo à decadência.
Escadas servem para descer também.
Não é fácil tirar a roupa e ficar pendurada numa banca de jornal mas, difícil por difícil, também é complicado abrir mão de pudores verbais, expor nossos segredos e insanidades, revelar nosso interior. Mas é o que devemos continuar fazendo. Despir nossa alma e mostrar pra valer quem somos, o que trazemos por dentro.

Não conheço strip-tease mais sedutor.




Martha Medeiros

terça-feira, 27 de julho de 2010

"Você vai me sorrir,você vai se enfeitar e vem me seduzir..."




(Você vai me seguir, Chico Buarque de Hollanda)


Não que fosse impossível, mas como amar alguém que não ouve a mesma canção? Como amar alguém que não decifra o que há na música, que não entende só a melodia, que não vê a poesia na letra e se emocina? Como não perceber as possibilidades de um amor louco ou breve na canção que se descreve? Como não precisar quando a voz vibra de saudade ou de dor? Não se ama alguém que não ouve.
Não se planeja uma vida com alguém que não ouve a mesma canção, não se preocupa com a poesia, que não a entende, nem a sente, nem a perpetua. Vida sem poesia, não sobra nada, nem amor para o próximo dia. Não se ama alguém que não tenha um livro de Lya Luft, um cd do Chico ou de Maria Bethânia, um quadro na parede e um amor do passado. Aliás, não se ama alguém sem passado, sem história, sem uma saudade de alguma coisa que até quando você olha nos seus olhos sente arder. Quem tem saudade, tem alguma coisa boa que vem desde muito tempo. Não se ama alguém pronto, alguém preparado, alguém seguro de tudo. Só se ama alguém que ainda podemos ver crescer, crescer junto com o que também queremos ser.

Não se entrega um sonho nas mãos de alguém que não ouve a mesma canção, de alguém que não ocupa o teu pensamento todo, e não te retribui em dobro o gesto e o riso. Não se ama alguém que não lê jornais, que não come besteiras, que duvida no toque do telefone. Não se ama alguém que não conhece teu perfume, teu prato e teu lugar preferido. Que não percebe que teu temperamento não é teu signo, que não acredita no que você daria a vida. Não se ama alguém em quem não se confia de olhos fechados e de coração aberto.
 
Não se apaixone por alguém que não ouve a mesma canção, nem goste de matinês e cafeterias. Não se ama alguém que não tenha plantas em casa, não use tapete na porta de entrada e não tenha talheres de inúmeras cores. Não se ama alguém que derrete na chuva e se torra no sol. Não se ama alguém que não viaja, que não planeja, que não tenha expectativas, nem que sejam mínimas e tolas. Não se ama quem fala pouco, quem gesticula antes da palavra e que não cante junto com a música.
 
Não se ama quem nunca quebrou um copo, quem nunca esqueceu as chaves, quem está satisfeito com a cor da sala, quem não tem compromisso, quem perde a hora, quem joga extratos fora, quem se muda toda hora, que não tenha manias, que não acorde com o rosto amassado de manhã. Desconfie se não te olhar nos olhos, se não te der segurança no dar das mãos, se mudar de assunto no domingo de manhã e principalmente, com toda certeza, desconfie, mude, termine se não ouvir a mesma canção.
.
.Cáh Morandi

domingo, 25 de julho de 2010

A rainha e eu.









Quando eu me vejo assim, pequena e oprimida, não sou Maria Clara.
Aliás, nesses casos, Maria Clara me olha com desprezo e ri. Abaixou a cabeça mas uma vez, idiota. Nunca vai ser igual a mim.
Maria Clara é fria e se rebela. Não aceita ordens se não concordar com seus motivos, questiona e argumenta pra conseguir o que quer. Eu não. Fico calada e dou razão. Perco oportunidades pra manter a paz. Ao caralho com a paz. É de mentira mesmo. É uma hipocrisia filha da puta. É harmonia fingida e exigida pelas aparências.
Maria Clara me ensinou a falar palavrões. Alivia. Ensinou a reclamar, mentir, atuar, seduzir. Só falta colocar o aprendizado em prática. Só falta agir sem me esconder nesse nome.
Sou Maria Clara no grito. Quando não pergunto antes de fazer. Quando me acabo de dançar e bebo mais que um copo. Sou Maria Clara sorrindo, quando pouco me importo com a opinião dos outros. Maria Clara me toma nos braços quando minto meu nome, idade e ocupação só por diversão. É uma fora da lei. Despedaça corações e sorri experiente enquanto eu me culpo por fazer alguém sofrer mais uma vez.
Maria Clara escreve, atua, fotografa, dança, canta. E eu a invejo. Ela vive num lugar quentinho e seguro dentro de mim e só aparece quando quer. Ela só fala o que quer e só convive com quem gosta. Não tem obrigações nem escrúpulos, não sofre e não engole sapos. Não aceita desaforos de ninguém. Quando ela aparece me dá forças e quando vai embora me deixa jogada. E eu a invejo. Porque no fundo eu sei que eu projetei minha verdade numa personagem que é tudo o que eu tenho medo de ser.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Pro dia 20 :P




Amigos de verdade podem te decepcionar. Podem errar. Podem nem sempre falar a coisa certa. Eles podem nem sempre ter o melhor conselho, a melhor palavra, a melhor saída. Mas eles sempre têm o melhor ombro, o melhor sorriso e, principalmente, a melhor intenção. Amigos de verdade estão presentes na noite com champanhe e na noite sem dinheiro. Amigos de verdade não são parte da sua família, não assinaram nenhum contrato com você, mas escolheram você com todos os seus defeitos pra dividir as alegrias e as tristezas. Seus verdadeiros amigos conhecem seu ponto fraco, mas jamais usariam isso contra você. Seus verdadeiros amigos conhecem de perto seus defeitos mais ardidos, mas não ficam apontando o dedo na sua cara. Seus verdadeiros amigos gostam de você apesar de tudo que você é.

Brena Braz

terça-feira, 20 de julho de 2010


"O que não se usa atrofia e caí.
Não se deixe entorpecer, não seja amofino.
Não se entregue ao efêmero.
É indubitável que para achar o âmago faz necessário transviar-se.
Lembre-se: não importa o quanto tente, você não será um supra sumo da perfeição moral.

C.F.A

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Você é a saudade que eu nunca consegui matar. Eu aqui, com todas as armas de fogo na mão e nada. Você olha pra mim com esses seus olhos de turista e eu tenho tanta vontade de acabar com a tua raça só porque eu não sou assim, tão desprendida pra viajar por aí com você.

A falta de controle que você me causa, a irritação, a gastrite, é tudo de morte. Mas com você eu vivo, mesmo sempre morrendo de saudades.
Rani Ghazzaoui




Mas, quando você optar por uma coisa, vai ter que abrir mão de outra. E você não quer abrir mão de coisa alguma. Você quer tudo de uma vez. É egoísta. Ciumenta. Possessiva. Mimada. Não aceita “não” como resposta. Pensa que o mundo deveria ser do jeito que você gostaria. Pensa que pode ter o mundo na sua mão. Só que, uma hora, você vai ter que fazer a escolha, já que esse negócio de ficar em cima do muro nunca foi a sua praia mesmo. Mas você sabe que seguir a razão não tem a mínima graça. E seguir o coração é se meter em grandes enrascadas (quase sempre). Então, você continua dividida entre o que você quer e o que é melhor pra você. Entre aquele que você quer e aquele que quer você. Entre jogar e se jogar. Entre o mocinho e o bandido. Entre uma balada e outra. Entre uma e outra cantada barata na noite. Entre uma caipi-fruta e um vinho barato. Entre uma e outra carinha bonita interessada em você. Entre dois passarinhos voando e uma mão vazia.




Brena Braz

terça-feira, 13 de julho de 2010






 "Uma caixa inteira de bis pra não ligar pra ele. Saudade não mata, mas engorda."

segunda-feira, 12 de julho de 2010

P.P.G ^^





Amigo, obra-prima que conta o milagre que acontece toda vez que a vida arruma um modo para aproximar as almas irmãs. Buquê de risos desarmados, olhares que ouvem, abraços que dizem. Árvore frondosa e a sombra dela, onde podemos descansar um pouco, ouvir o canto bom de um passarinho e outro, sorrir para a folha que sabe dançar mesmo quando cai. Lugar de azul macio quando faz sol no coração da gente e quando as chuvas mais fortes alagam nossos olhos. Canção feita de acordes que acordam belezas que às vezes demoram à beça para cantar de novo. Uma ideia feliz do quanto o amor é pura arte.



 
 
 
Fiquei feliz em poder sentir tua falta, - a falta mostra o quão necessitamos de algo/alguém. É assim o nosso ciclo. Eu te preciso. Perto, longe, tanto faz. Preciso saber que tu está bem, se respira, se comeu ou tomou banho - com o calor que está fazendo neste verão, tome pelo menos uns três ao dia, e pense em mim, estou com calor também. Me faz bem pensar nessas atividades corriqueiras, que supostamente você está fazendo. Ah, e eu estou te esperando, com meu vestido curto, óculos escuros grandes e meu coração pulsando forte, e te abraçar até sentir o mundo girar apenas para nós. É, eu gosto muito de ti.

Caio Fernando Abreu

sábado, 10 de julho de 2010

Você não precisa mais de chocolate. Agora, você tem um cidadão que te causa o mesmo efeito. Que te dá uma sensação boa pelo corpo inteiro. Que te dá energia e que te dá gosto. Que dá gosto de olhar, de tocar, de sentir, de beijar. Ele escreve as coisas mais lindas que você já leu e, mesmo assim, ele consegue ler seus textos cheios de clichês. E ele é meio clichê do seu lado. Ele fala que te adora. Te chama de linda. Diz que te quer pra sempre. Mas enquanto o pra sempre não chega, você quer aproveitar cada segundo do lado dele. Você queria não ter hora pra ir embora. Você queria que ele não fosse embora. Você só queria rir com ele a noite inteira. E queria que a noite inteira não tivesse fim. Pra vocês falarem besteiras. Pra jogar conversa fora. Pra você falar das coisas fúteis sem parecer estúpida. Pra ele rir porque o álcool é intolerante a você. A noite é sempre perfeita. Você bebe uma ou duas doses da sua bebida favorita e ri horrores. Ri porque se diverte com ele. Ri porque ele consegue ser mais bobo que você. Ri porque não entende como pode ser tão gostoso estar do lado daquele cara que nada sabe sobre você e gosta da sua companhia mesmo assim. Ri porque está feliz com tão pouco. Está feliz de estar ali. E queria estar ali pra sempre.
 Você ri porque ele não é nada daquilo que você imaginou pra sua vida. Mas ele te convence, sem palavras, de que é o cara perfeito pra você. E faz com que tudo que você viveu antes dele pareça tão morno. Faz com que os outros caras que já passaram pela sua vida pareçam tão pouco.Ele admira seu sorriso. Diz que seu corpo é lindo. Adora seu cabelo. Suas pernas. Beija sua mão. Beija seu rosto com um carinho ingênuo. Toca sua pele e faz você se sentir uma adolescente. Ele te abraça e muda o ritmo da sua respiração. Porque, na verdade, ele mudou sua vida. Ele não fez nada pra isso, mas te faz a pessoa mais feliz do mundo. Você não quer mais nada dessa vida. Quer ele. E só. Quer ele te abraçando com aquela mão macia. Com aquele corpo quente. Aqueles olhinhos brilhando do seu lado. Aquele olhar que fala sem palavras. Aquele sorriso mais do que fofo. Aquele cara que chegou e te rendeu sem o mínimo esforço. Por quem você abandonaria todos os outros caras interessantes que te ligam sábado à noite. Deletaria do seu celular todos os números de telefone. Por quem você largaria todas as outras propostas. Arriscaria começar tudo de novo. Ele é o cara pra quem você olha e pensa: fica na minha vida pra sempre?

Brena Braz

*-*

quarta-feira, 7 de julho de 2010




E você continua indo embora, e eu continuo ficando, vendo você levar partes de mim que antes eu nem sentia falta.




Tati B.
 
Saudade do meu namorado :\


Sorrir e chorar do outro lado do abraço: Você pode enganar o mundo, não seu coração.


Ele não foi embora, você que ficou: A distância foi escolha dos dois, mas a saudade é só sua. Escolha ser feliz; de preferência, de salto alto.




@segredodegarota

Cazuza *-*




quarta-feira, 30 de junho de 2010

Meu cowboy (:




De todas as tentativas que eu tive para tentar falar de amor, eu falhei. Falhei em todas porque sempre fui muito afetiva quando estava longe e muito fria quando estava perto; porque sempre achei que as pessoas erradas eram as certas e as certas não existiam. Fiz cafajestes se tornarem príncipes encantados nos meus delírios adolescentes fantasiosos que só conseguiam fantasiar como seria a vida de uma menina pura, doce, rosada e sem graça, que eu, Rani, nunca fui.

E eu espantava os caras perfeitos porque eu posso ser tudo nessa vida, menos perfeita. Porque eu sei fazer cara de blasè, mas na maioria das vezes eu faço é cara de nojo mesmo e cuspo pra fora todas as merdas que cuspiram em mim antes, evitando assim morrer de úlcera, morrer de tanto engolir e engasgar com as mesmas merdas que todo mundo engasga enquanto finge que é normal. Eles continuam tossindo com a mão na frente da boca, e eu continuo vomitando minhas verdades por aí, espantando o bíceps robusto e o cabelo com gel pra longe de mim.

Passei um tempão incontável da minha vida achando que por mais que eu me esforçasse, eu nunca seria capaz de achar alguém que agüentasse a minha presença porque eu sou mal-humorada e meu cabelo não é tão liso quanto parece. Tinha medo de ser muito forçada na hora de atrair alguém, e acabar repelindo essa pessoa quando ela descobrisse que de noite eu sentia solidão e enfiava meu travesseiro entre as pernas pra preencher um vazio que os babacas do sábado a noite nunca preencheriam. Porque eu sempre me fiz de moderna, mas nesse lugar só o travesseiro tocou antes de você chegar.

E você chegou de repente com o seu jeito de risada rosada de quem não sabe onde enfiar a cara quando alguém fala algum absurdo. Eu sempre falando tantos absurdos pra você, te deixando vermelho, quente, meio tarado pela idéia de me ver brava de novo, fazendo charminho pras coisas que tanto eu quanto você sabemos que eu acabo por ceder. Pra você, sempre. Me arrepiou do dedo mindinho do pé até o fio do ponto mais alto da minha cabeça, e eu tive certeza absoluta que não eram simples formalidades dessa vez, que não ia ser fugaz e fútil e que era "bão", era "bão".

O seu jeito -- que eu sempre achei que era o exato jeito que brigava com o meu -- me completou de uma forma que eu não consigo falar, porque toda vez que eu tento, percebo que minha boca está ocupada de você e que as horas passaram sem que eu nem ao menos ouvisse a porra dos sininhos tocarem ou as nojentas das borboletas voarem dentro de mim. Os sininhos não existem e eu sempre tive asco do corpo de inseto da borboleta, aí eu resolvi deixar de ser a idealizadora da felicidade glamourosa pra ir viver o gozo da vida simples que eu sempre ignorei.

Cansei de andar nas pontas do pés e resolvi andar de pé inteiro, no chão, no barro, no barranco. Despenquei e caí lá embaixo: totalmente de quatro por você.Tão brega na minha paixonite que não ligo pra nenhuma das besteiras que eu ligava há dois minutos atrás. O tempo vai mudando rápido e a felicidade não poderia ser mais real e presente nas nossas tantas diferenças.

Obrigada, cowboy

quinta-feira, 24 de junho de 2010

terça-feira, 22 de junho de 2010

 
 
 
 
Existem saudades competentes, aquelas que te fazem querer morrer pro mundo não te ver chorar tanto. Porque a gente lembra das risadas, não esquece dos abraços e, menos ainda, se perdoa por ter perdido aquela festa, aquele afago, aquele amor. 

Saudade de verdade não se beija, porque ela se esconde no caminho do que queremos muito mas só lembramos ter tido. Saudade das músicas, dos gostos e dos cheiros, porque a vida continua sempre em frente, mas é nosso passado que modela quem somos hoje. 

Rani G.

sábado, 19 de junho de 2010

[LUTO]

 
 
"...O importante foi ter vindo,
o importante é o caminho que se fez,
a jornada que se andou..."

Saramago

sexta-feira, 11 de junho de 2010

 
 
Vou deitar quente no seu peito até o dia chegar, mas aí eu vou fechar as cortinas e ficar. Só mais um pouco, eu juro.

E você vai fugir de você, porque assim há de ser. Mas eu, vou estar aqui, no escurinho da sua única certeza, te esperando com o amor que eu nunca duvidei poder te dar.

Feche a porta.

[Rani Ghazzaoui]
 
 
 
 
E quando ele riu, eu percebi. Eu percebi que eu estava na merda. Porque adoro esses caras que dão risada com a cara inteira mas continuam com os olhos um pouco tristes e parados. E adoro que a ressaca dele não permitia muita emoção e por isso ele fechava um pouco os olhos e ficava quietinho. É impressionante como eu não gosto de ninguém mas, de vez em quando, escapa um momento, um gesto, uma pessoa perdida e linda e única. E eu fico nessa felicidade de ser uma pessoa boa e capaz dessas coisas boas.

Tati Bernardi

terça-feira, 8 de junho de 2010

 
As pessoas vêem estrelas de maneiras diferentes.
Para aqueles que viajam, elas são guias;
para outros, não são senão pequenas luzes;
para os sábios, constituem-se em desafiantes problemas;
para os homens de negócios podem ser de ouro.
Para todos esses as estrelas se calam.
Mas tu terás estrelas como ninguém nunca as teve
Quando olhares o céu a noite,
eu habitei numa delas e, ao rir,
será para ti com o se todas as estrelas rissem também
E desta forma tu, e somente tu, terás estrelas que sabem rir!
Teus amigos se surpreenderão
vendo-te olhar o céu e tu dirás.
Ah! É verdade, as estrelas, elas me fazem sempre rir.
E eles te julgarão louco...
 
Antoine de Saint-Exupéry

Muuito bem *-*

 
 
Entenda, a vida tem me embalado de um jeito tão único que só encontrei meus passos com total entrega. Quando desando, sei bem o que quero... mas não sei se posso. Não quero licença para ser feliz. Não mais.
 
Cecília Braga

sábado, 5 de junho de 2010

 
 
 
 
 
Chega. Não quero mais ser feliz. Nem triste. Nem nada. Eu quis muito mandar na vida. Agora, nem chego a ser mandada por ela. Eu simplesmente me recuso a repassar a história, seja ela qual for, pela milésima vez. Deixa a vida ser como é. Desde que eu continue dormindo. Ser invisível, meu grande pavor, ganhou finalmente uma grande desimportância. Quase um alivio. I don’t care.

Tati B.
 
Hoje, com toda minha birutice e uma vontade de aprender que não acaba, eu pego minhas fraquezas.
Deixo-as enfileiradas. E as estudo como se minha vida dependesse disso.
Com o auto-controle nas mãos, um depósito debaixo do braço e nossos inimigos internos dormindo, podemos - quem sabe? - nos tornar guerreiros impecáveis.
Ou - se não - apenas sorrir mais.
O que pra mim já vale a luta. Ou uma vida inteira.

Fernanda Mello

sexta-feira, 4 de junho de 2010




"Falam de tudo, da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzeis, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam".


Nelson Rodrigues

Eu fico imaginando.

 
 
 
 
Primeira estrela que vejo, lembrei, realiza o meu desejo.
... 

Pedi sete vezes em voz alta - não havia ninguém por perto para olhar e talvez rir.

... 

Força e fé, que tinha perdido, eu pedi.
 

segunda-feira, 31 de maio de 2010

 
 
 
 
Tenho aprendido com o tempo que quando julgamos falamos mais de nós do que do outro. Que a maledicência acontece quando o coração está com mau hálito. Que o respeito é virtude das almas elegantes. Que a empatia nasce do contato íntimo com as nuances da nossa própria humanidade. Que entre o que o outro diz e o que ouvimos existem pontes ou abismos, construídos ou cavados pela história que é dele e pela história que é nossa. Que o egoísmo fala quando o medo abafa a voz do amor. Que a carência se revela quando a autoestima está machucada. Que a culpa é um veneno corrosivo que geralmente as pessoas não gostam de ingerir sozinhas. Que a sala de aula é a experiência particular e intransferível de cada um.

Ana Jácomo